quinta-feira, 12 de janeiro de 2017

HOMENAGEANDO OS MEUS PAIS

O meu coração chora,
com uma grande saudade,
dos meus adoráveis pais,
que trago sempre comigo!
Tempos felizes se foram,
quando os meus pais perdi,
sendo este o ciclo da vida,
eu nunca me conformei
e sinto saudades sem fim1
Se eu os pudesse encontrar
e abraçá-los todos os dias,
aquietaria o meu coração,
com a sua companhia!
Encontro-os no meu pensamento,
sempre com redobrada saudade,
com uma angústia cá dentro,
que me magoa de verdade!
Quer nós queiramos ou não,
os nossos pais sempre serão,
a razão do nosso viver,
mas o verdadeiro ciclo da vida,
oe nascer, viver e morrer!

Antonia Bergano
6.01.2016


sábado, 5 de novembro de 2016

A VERDADE

Se o cansaço não me vencer
e as força não me faltarem,
eu continuarei a viver,
enfrentando a realidade!
Não fosse eu Alentejana,
para manter esta postura,
eu sou osso duro de roer
e de manter a minha lisura!
Caminhando a passo certo,
vou tropeçando e caindo,
mas depressa me levanto,
prosseguindo o meu caminho!
E vou segurando as pontas,
dum novelo emaranhado,
com minha consciência tranquila
e pela razão ter lutado!
Sem abdicar dos meus pricípios,
continuarei resistindo,
pelas veredas e caminhos,
que me foram predestinados!
Encaro de frente a verdade,
avanço com clarividência,,~
não retrocedo o caminho
e arco com as consequências

Antónia Bergano
11.11.2016

LEVITANDO

Levitando ao sabor do vento,
me encontrei com a madrugada
e aproveitando o momento,
me senti muito apaixonada!
E apaixonada pela brisa
epelos sons que ia fazendo,
senti que a Planície trazia,
Liberdade a cada momento!
E na Planície Alentejana,
fui percorrendo os verdes trigais,
e atravessando os valados,
com o gado todo pastando,
segui minha estrela cadente!
E assim me fui orientando,
orientando meus pensamento,
que com asas seguiam o vento
e fixando o firmamento,
senti estar a sangrar por dentro!
Sangrava or sofrimento,
mágoas e amarguras desmedidas,
porque a minha paoxão como vento,
sentia-samaos que perdida!

antónia bergano~
5.11.2016

sexta-feira, 4 de novembro de 2016

Que os Amigos não me faitem!

Que os Amigos não me faltem
e o Amor não me abandone,
que o meu coração se aquiete
e nunca viva só de sonhos!
Sonhos que não sejam quimeras,
quimeras vivo todos os dias,
porque sem sonhos e sem quimeras,
meu coração não resistiria!
Vivo com as minhas fantasias,
pergunto-me quem é que não as tem, ,
fantasias são minhas estrelas,
infelizes de quem não as tem!
O Amor não é uma quimera,
mas quimera pode virar Amor,
acreditando todos os dias,
com muita esperança e vigor!
Dando asas ao meu pensamento,
sempre acreditando no Amor,
eu vou vivendo cada momento,
eu nunca vou desistir do que sou!
"Sou romântica,mas não Trôpega"
vou alimentando o meu ego
e seguindo a minha vereda,
nem sempre pelo caminho certo!
Mas um dia a gente encontra,
se fôr persistindo em encontrar
e resistindo como lontras,
perdidas em ondas do alto mar!

antónia bergano
4.11.2016


quarta-feira, 2 de novembro de 2016

LlIBERDADE

Neste Mundo estagnado.
onde é urgente a mudança,
temos de viver acordados
e não perder a esperança!
Esperança e muita vontade.
de mudar o que não está certo
e avançarmos com passo firme,
vira Paraiso ... o deserto!
Acorda meu Povo sereno,
não continues enganado,
porque o destino dum Povo,
sóse consegue acordados!
Quem conheceu a miséria,
noutro tempo...que já lá vai,
volta a conviver com ela,
enchendo os bolsos, aos demais!
Não era esta a intenção,
quando o Povo saiu à rua,
juntando-se à Revolução,
integrando-a como sua!
Não fosse o Povo desperto,
a lutar pela Liberdade,
travando os tiros de canhão
evitando fatalidades!
Uma Revolução de cravos,
que surpreendeu todo Mundo,
que pôs nosso Povo a salvo,
metendo travão a fundo!
Vivemos a Liberdade,
com gritos e cravo na mão,
vimos a imagem inédita,
dum menino, a meter um cravo,
no cano duma espingarda,
dum soldado da Revolução!
Memórias que não se apagam,
a quem ama a Liberdade
e que teima em resistir,
lutando com dignidade!

Antonia Bergano
2.11.2016

terça-feira, 1 de novembro de 2016

Saudades... eu tenho saudades

Saudades... eu tenho saudades,
dos meus tempos de menina,
onde nada me faltava,
do pouco que a gente tinha!
Sinceridade e Amor,
enchiam o meu coração,
quando eu vivia sem dor,
e não me faltava o pão!
Numa vida remediada,
que meus pais me foram dando,
tudo me fazia feliz,
passava vida cantando!
Como um rouxinol à solta,
vivia a minha liberdade,
com os sonhos da meninice,
de que hoje tenho saudades!
E os anos se vão passando,
vão deixando as suas marcas,
nós nos vamos habituando...
é assim que o tempo passa!
Com amarguras e tristezas,
deste Mundo tão desigual,
de que eu não me conformo
e luto para ser igual!
Só a luta pode determinar,
um Mundo melhor para todos,
Só lutando se pode ganhar,
mais Humanidade sem cobro!
Se continuarmos a lutar,
nós podemos, certeza ter,
se não conseguirmos ganhar,
de certo... que mais vamos perder!

Antonia Bergano
1.11.2016

domingo, 30 de outubro de 2016

Aceitando

Sem ter aquilo que eu quero,
governo-me com o que tenho,
não vivendo de ilusões,
daquilo que vou perdendo!
Enfrentando o meu caminho,
vou encarando minha sorte
e com toda a segurança,
tento não perder o norte!
Eu fui sempre mulher segura,
do que ao Amor diz respeito,
só conservo a amargura,
quando não tiver outro jeito!
Meus caminhos tortuosos,
são como as águas correstes,
contorno-os bem, a meu gosto,
nunca fico deles pendente!
Vou fazendo as minhas escolhas,
ditadas pelo meu coração,
que nem sempre têm dado certas,
mas ensinaram-me a lição!
Escolhas certas eu erradas,
são sempre um risco pendente,
que enfrento com provas dadas
e vou encarando de frente!
Dias melhores ou piores,
vão ensinando a todos nós,
que neste Mundo austero,
vamos seguindo o nosso rol!
Rol cheio de pedras soltas,
atravessadas no caminho,
das quais me vou desviando
e seguindo devagarinho!

Antonia Bergano
30.10.2016