segunda-feira, 1 de abril de 2019

domingo, 11 de novembro de 2018

O último a rir é que ri melhor.
É um ditado já muito antigo
Em que me vou inspirar, para dizer
Sem medo... que não merece castigo!

Tudo que faz doer minha alma
Eu acho bem repartir contigo
Escrevendo nestes versos
Para lutares comigo

Segundo a nossa constituição
A liberdade de expressão
É um direito de qualquer cidadão
De que muitos fazem letra morta
Escrevendo por linhas tortas!

Eu me nego ignorá-los...
Porque, não consigo calar
Não consigo fingir que tudo está bem
Num Mundo tão desigual

Temos de pesar as palavras
Repensar cada atitude, cada gesto!
Num Mundo Cão... onde reina a gula.
E que merece nosso protesto!

Onde salva-se quem puder é constante
Roubar aos pobres para dar aos ricos
Ignorando a pobreza a aumentar
Chega a a ser escandalizante

Sempre lutei pela igualdade
Paz...Amor e muita fraternidade
Onde perante um Mundo perverso
Todos os penalizados lutassem!

Acorda meu Povo... acorda
Antes que seja tarde demais
Pois só um Povo acordado
Pode dar um novo amanhecer!

Quem ganhar a consciência que assim é
Ganhará muita força para vencer
Salvando a  sua dignidade
Lutando por um melhor viver!

Antónia Bergano.
10.11.2018